Era um domingo, até então, como outro qualquer … a programação ia mudar um pouco, em relação ao que fazíamos normalmente, pois minha sogra estava chegando de Fortaleza no final da tarde! O meu sogro já estava aqui, desde a quinta à noite. Não, eles não vieram para o meu parto. Afinal, eu ia esperar entrar em TP e não teria como prever quando isso iria acontecer. Eles vieram para defesa do mestrado do meu esposo (aconteceu na sexta anterior, ufa!) e para formatura dele do exército   (seria na segunda seguinte). Durante todo o domingo relembrei muito de como chegamos até ali …

A nossa gestação foi muito planejada, desejada. Já era a nossa terceira tentativa, nas outras duas ainda não sabíamos do diagnóstico da trombofilia. Mas, dessa vez, com o acompanhamento de uma equipe sensacional (obstetra, hematologista e fetólogo), deu tudo certo! Foram injeções diárias, durante as 39 semanas e 4 dias (fora  os 15 dias após o parto), que nos fizeram chegar até o domingo, dia 12/03/2017! E durante todo esse período nos preparamos para um parto normal, humanizado! Fomos em busca de uma equipe em que confiássemos (e achamos a melhor! ❤️), de informações, exercícios que auxiliassem meu corpo para o momento do TP (pilates para gestante – onde conheço minhas doulas ❤️). Mal podia esperar para parir (não, a trombofilia não é contra indicação para parto normal, pelo contrário!)!

Nas usgs, a partir das 30 semanas, comecei a ficar ansiosa (mais do que já estava), pois Bianca estava pélvica! 

Chegava na consulta e dr Thiago dizia: “relaxa, mulher! Ela vai virar!” Chegava no pilates e a minha doula (que também era minha profa) dizia: “Ela vai virar! Vamos ajudar ela fazendo alguns exercícios!”

Mas, chegamos às 39 semanas e Bianca permanecia sentadinha ????.

E, desde sempre, dr Thiago nos deixou super a vontade pra escolher o que julgássemos ser melhor pra nós: 

– aguardar pelo parto normal pélvico;

– fazer a manobra de versão cefálica;

– aguardar entrar em TP e irmos pra cesárea;

Diante dos dois abortos anteriores , não queríamos arriscar nada, e eu estava com medo de tudo! Resolvemos, então, aguardar o TP (esperaríamos, pelo menos, a hora dela) e iriamos para cesárea! 

Minhas contrações começaram por volta das 13h, mas não eram doloridas, apenas foram ficando com um intervalo de tempo menor, ao longo do dia. Sempre em contato com Dr Thiago e monitorando os intervalos, passei o dia fazendo tudo o que estava dentro do programado: almoçamos na casa de uma tia, pegamos minha sogra no aeroporto, voltamos pra casa da tia … e aí elas começaram a ficar mais frequentes. Falei com minha doula também, que já estava no hospital, junto com Dr Thiago, em um outro TP, e disse que fossemos até lá, para que eu fosse examinada. E ela disse: “já traga tudo, pode ser hoje!” ???? 

Fomos pra casa, tomar um banho e organizar o que faltava. Lembro que eu ainda fui dar escova no cabelo, enquanto meu marido me apressava! ????????????

Enfim, chegamos ao hospital. Dr Thiago fez o toque, 3 cm de dilatação. E me disse: “vai ser hoje!” Foi aí que começou uma tremedeira sem fim! Não era frio, era ansiedade, nervosismo, não sei explicar! Um misto de alegria, medo e ansiedade tomaram conta de mim, naquele momento! “Meu Deus, vai ser hoje mesmo!” , pensei naquele momento! Meu esposo foi fazer toda burocracia para o internamento, Dr Thiago foi organizar as coisas para o bloco e acionar o restante da equipe, enquanto eu fiquei com Vivi e suas doces palavras ❤ 

*A história das minha doulas – 

Vivi era a doula backup da minha doula, q era Dani. Mas, Dani estava, simplesmente, no Japão, com a sua família! Desde o inicio sabíamos que isso poderia acontecer, pois ela só retornaria ao Brasil no dia 16/03, quando eu estaria com 40 semanas e 1 dia! 

Por esse motivo, todos os encontros realizados durante a gestação Vivi esteve presente também! *

Avisamos aos nossos pais, parentes e amigos mais próximos: “vai ser hoje!”

E, em seguida, meus pais e meu irmão chegaram! Eu já estava indo pra o bloco quando eles apareceram no day clinic (eu ainda não estava no apto, iria direto pra o BC), e ainda deu tempo de tirar um foto! ????

Nesse momento, as contrações começaram a incomodar um pouco, mas era uma dor muito suportável, era um incômodo, na verdade! 

O maqueiro chegou pra me buscar e me levou pra o bloco. Nesse momento eu não sabia onde meu esposo estava, desesperei! Entrei no bloco sozinha! Mas, em seguida Vivi chegou, e me disse: “calma, ilan está fazendo um lanche no estar médico com a equipe!” Foi quando eu lembrei que estávamos sem comer desde a hora do almoço. O “pobe” não ia aguentar tanta emoção com estômago vazio … 

em seguida dr Thiago chegou. Lembro que nesse momento eu estava com muito medo da anestesia! E queria que Ilan ficasse comigo, abraçado, na minha frente. Mas, como meu médico é maravilhoso demais, ele disse: “nada disso, eu que vou ficar com você e vou lhe explicar tudo o que está acontecendo!”

E assim foi (e foi a melhor coisa, para aquele momento), dr Thiago ficou na minha frente e foi me explicando todo o procedimento anestésico, pronto! Já foi feito, hora de deitar! 

Cadê a playlist? Ninguém lembrou … mas, claro, dr Thiago salvou! Ele tinha uma playlist maravilhosa, Jesus! 

O procedimento começou … luz baixa, ar condicionado desligado, música tocando, minha doula e meu marido ao meu lado, toda a equipe me explicando tudo! 

Até que Dra Vivi (obstetra assistente maravilhosa ❤️), disse: “vamos fazer uma pressão agora!” Bianca tava muito “pra cima”! E, em seguida, eu ouvi dela: “owww mamãe, nasceu de ré!” 

Nesse momento, o campo já tinha sido baixado, pra que eu pudesse ver minha filha saindo de dentro de mim, foi a coisa mais emocionante que já vivi! Vi minha Bianca virar filha, vi meu esposo virar pai e me vi virar mãe! 

Ela foi colocada em meus braços (nada de braços contidos nesse momento), eu pude sentir seu cheiro, seu corpo, sua respiração, seu choro! Foi maravilhoso! Ficamos ali por um tempo, nos três! Impossível descrever tudo o que sentíamos ali, o amor que surgiu e que a cada dia se renova e cresce! 

Em seguida, Dr Reginaldo (❤️) pegou para fazer as medições necessárias de verdade (peso, altura, PC) e orientar o papai no corte do cordão! Como Bianca nasceu super bem, sem intercorrências, nenhum procedimento invasivo (como aspiração, por exemplo) foi necessário! Isso foi algo que solicitei n meu plano de parto e foi super respeitado! Em seguida, voltou pra o meu lado, e não saiu mais de junto de mim! 

Não tive o parto normal que tanto sonhei, mas tive um parto tão humanizado quanto! Tive um parto necessário às condições impostas pela natureza. E faria tudo de novo!